Campo de Tupi: a descoberta que mudou o Brasil

Concluindo a história do petróleo brasileiro, não poderíamos deixar de falar de algo que marcou o setor petrolífero nacional e transformou o Brasil em exportador de petróleo para o mundo: a descoberta do pré-sal. Porém, antes de entrarmos nos acontecimentos, é preciso definir o conceito de “pré-sal”.

pre_sal_profundidadePré-sal é o nome dado às reservas de hidrocarbonetos em rochas calcárias localizadas abaixo de camadas de sal. É o óleo descoberto em camadas de 5 a 7 mil metros de profundidade abaixo do nível do mar. No Brasil, essa camada tem aproximadamente 800 quilômetros de extensão, por 200 de largura, começando do litoral de Santa Catarina até o litoral do Espírito Santo. Geólogos da Petrobras já discutiam a existência do pré-sal na década de 70, porém, não havia estrutura suficiente para concluir as pesquisas. A área engloba três bacias sedimentares – Santos, Campos e Espírito Santo – e, dentre os campos e poços de petróleo e gás natural já descobertos na camada pré-sal, estão: Tupi, Guará, Bem-te-vi, Carioca, Júpiter e Iara, sendo o Tupi o principal deles.

Oil_platform_P-51_(Brazil)A primeira descoberta de petróleo no mar, contudo, se deu em 1968, no Campo de Guaricema, em Sergipe. Assim, foi construída a plataforma Petrobras 1 (P-1), pela Companhia de Comércio e Navegação no Estaleiro Mauá, em Niterói (RJ), a primeira plataforma de perfuração flutuante construída no Brasil. Já em 1974, o petróleo é descoberto na Bacia de Campos (RJ), no Campo de Garoupa. Os primeiros indícios de petróleo no pré-sal datam de 2005, na Bacia de Santos (SP), mas foi apenas em 2007, após análises concluídas no segundo poço do bloco BM-S-11, que a Petrobras anunciou a descoberta de reservas gigantes no campo de Tupi, em Santos, com volume de 5 a 8 bilhões de barris de qualidade e gás natural.

A área corresponde ao maior campo já descoberto no Brasil, com metade de todo o petróleo encontrado no país nos últimos 50 anos, e aumentou as reservas de petróleo e gás da Petrobras em 40 a 60%. Com isso, o Brasil passou a obter uma das 10 maiores reservas de petróleo do mundo e chegou ao patamar de exportador do óleo.Após o anúncio, as ações da Petrobras subiram mais de 10% na Bolsa de Valores de São Paulo.

Todavia, a legislação brasileira, na época, não permitia à União uma participação maior nos resultados, além de controle da riqueza potencial, preservando os interesses nacionais. A partir daí, o governo passou a agir em caráter de urgência para que fosse aprovado um sistema de partilha que atendesse aos direitos do país de manter essa nossa riqueza. Com isso, o então presidente Lula instituiu uma Comissão Interministerial, que seria responsável por estudar e sugerir as alterações necessárias e adequadas para a alteração do modelo, que substituiu o regime de concessões pelo regime de produção partilhada, garantindo uma participação ampla da Petrobras e de estatais na exploração dos poços, embora mantenham a parceria com empresas privadas. A Petrobras, por fim, ficou como operadora do bloco e detém 65% de participação no empreendimento.

petroleo350

Desde a sua descoberta, a produção acumulada no pré-sal já atingiu a marca de 250  milhões de barris de petróleo e gás, sendo que a produção atual é de mais de 300 mil barris de petróleo por dia (bpd). A marca, alcançada em setembro deste ano, é oito vezes superior à produção média do pré-sal em 2010, quando foram produzidos 42 mil bpd. No total, já foram perfurados também 37 poços exploratórios no pré-sal da Bacia de Santos, apresentando índice de sucesso maior que 90%.

Leia as outras sobre a história petrolífera brasileira:

A Luta pelo Petróleo e a Criação da Petrobras

Ernesto Geisel: comando do país e da Petrobras

O povo x a quebra do monopólio da Petrobras

 

Quer aprender mais?

Matricule-se em um de nossos cursos de Petróleo & Gás:
clubedopetroleo.com.br
(21) 2203-0153 |2203-1230


MBP-COPPE/UFRJ formando especialistas em petróleo desde 1998 - mbcursos.coppe.ufrj.br

Comentários