Energias Renováveis já empregam quase 10 milhões de pessoas no mundo

Adnan Z. AminO avanço das energias renováveis no mundo não tem gerado apenas a redução de emissões de gases poluentes na atmosfera, mas também virou um motor de criação de muitas oportunidades de emprego. Um levantamento feito pela Agência Internacional de Energia Renovável (Irena) mostra que ao final de 2016 mais de 9,8 milhões de pessoas estavam empregadas em empreendimentos ligados às fontes renováveis.

As projeções da agência, que calculava em 5 milhões o número de empregados pelo segmento em 2012, indicam um salto para 24 milhões de empregados até 2030, impulsionados pela queda nos custos e pelas políticas de incentivo aos investimentos em geração renovável.

“Nos últimos quatro anos, por exemplo, o número de empregos nos setores solar e eólico mais do que dobrou. As energias renováveis estão apoiando diretamente objetivos socioeconômicos mais amplos, com a geração de empregos cada vez mais reconhecida como um componente central da transição energética global”, afirma o Diretor Geral da Irena, Adnan Z. Amin (foto), ressaltando que o crescimento até 2030 seria suficiente para compensar as perdas de postos de trabalho com combustíveis fósseis e ainda gerar um aumento no número de vagas.

De acordo com o relatório, a  maior parte dos empregos se concentra na China, no Brasil, nos Estados Unidos, na Índia, no Japão e na Alemanha. Na China, por exemplo, 3,64 milhões de pessoas trabalharam em energias renováveis em 2016, um aumento de 3,4% em relação ao ano anterior.

Os dados indicam ainda que a energia solar fotovoltaica (PV) foi a maior empregadora em 2016, com 3,1 milhões de empregos – 12% a mais em relação a 2015 -, principalmente na China, Estados Unidos e Índia. Nos Estados Unidos, os empregos na indústria solar aumentaram 17 vezes mais rápido do que a economia como um todo, crescendo 24,5% em relação ao ano anterior, para mais de 260 mil.

Fonte: Macaé Offshore

pos-graduacao-petroleo-1


MBP-COPPE/UFRJ formando especialistas em petróleo desde 1998 - mbcursos.coppe.ufrj.br

Comentários